I think we're like fire and water
"É exatamente disso que a vida é feita, de momentos. Momentos que temos que passar, sendo bons ou ruins, para o nosso próprio aprendizado.''
Poderíamos casar, teríamos um apartamento, tomaríamos café as cinco da tarde, discordaríamos quanto a cor das cortinas, não arrumaríamos a cama diariamente, a geladeira seria repleta de congelados e coca-cola, o armário de porcarias, adiaríamos o despertador umas trinta vezes, sentaríamos na sala de pijama e pantufas, sairíamos pra jantar em dia de chuva e chegaríamos encharcados, nos beijaríamos no meio de alguma frase, você pegaria no sono com a mão no meu cabelo e eu, escutando sua respiração. Eu riria sem motivo e você perguntaria porque, eu não responderia, saberíamos.
Caio Fernando Abreu.    

Ser meticulosamente leve e solto, capaz de divagar sem lógica sobre o universo e seus espaços vagos. Você seria capaz de acreditar na piedade, no perdão? E quem sabe um dia no silêncio noturno dos pensamentos, com os olhos pregados no céu e as palmas no chão, descobrir, por um mero acaso, a origem dos anéis de saturno. Sim, os teus olhos partiram, eram feitos de mel. Eu posso ver a tua iris dourando a imensidão que nos encara e sangra, escancara nossa ínfima existência, terrena, inócua, finita. E se multiplicássemos o amor? Será que nos tornaríamos mais humanos? Acredite, nossa previsibilidade e dependência do outro é absurda. Nossa necessidade de companhia, uma derrota irremediável. O segredo está na graça da vida! No humor, no aroma suave e doce da margarida. Não me fale de confiança e jamais ouse soletrar a palavra traição. Se pararmos por um segundo perceberemos que somos todos feitos da mesma matéria, que sonha, que chora, que morre e se recolhe ao fundo de nós. Não somos donos de nada, somos apenas infelizes aprendizes nessa arte difícil de amar.
Elisa Bartlett.

Sou forte. Meio doce e meio ácida. Em alguns dias acho que sou fraca. E boba. Preciso de um lugar onde enfiar a cara pra esconder as lágrimas. Aí penso que não sou tão forte assim e começo a olhar pra mim. Sou forte sim, mas também choro. Sou gente. Sou humana. Sou manhosa. Sou assim. Quero que as coisas aconteçam já, logo, de uma vez. Quero que meus erros não me impeçam de continuar olhando para a frente.
Clarissa Corrêa.

Parecia que eu tinha voltado a minha fase negra do ano passado. Aquela vontade de ir para o canto da sala, colocar os meus fones de ouvido e esperar o dia passar. Eu olhava para o relógio e dizia a mim mesma que faltam apenas alguns minutos para tudo melhorar. Mas não melhorou, estava longe disso. Imprevistos, novidades ruins, tudo em um mesmo dia. Eu finalmente entendi o que era aquela sensação ruim que estava dentro de mim desde a hora que eu acordei. Tentei acreditar que eu estava criando uma tempestade em um copo d’água, que tudo o que eu precisava era um pouco de ar e amanhã tudo ficaria bem. De fato era um pouco exagerado, mas um exagero natural, aquele que você apenas sente e não pode contar a ninguém. E conforme o dia passava, tudo apenas aumentava como se nunca tivesse um fim. Queria sumir, queria voltar, queria sair dali e correr para qualquer lugar que me fizesse bem. Mas eu não podia, estou presa a minha realidade.
Distanciarei.  

Ninguém quer morrer. Mesmo as pessoas que querem chegar ao Paraíso não querem morrer pra estar lá. Mas, apesar disso, a morte é um destino de todos nós. Ninguém nunca escapou. E deve ser assim, porque a morte é provavelmente a maior invenção da vida. É o agente de transformação da vida. Ela elimina os antigos e abre caminho para os novos.
Steve Jobs.  

Mulher diz tudo o que sente sim, mas com uma grande diferença: sem dizer nada. Sabe quando ela demora para responder suas mensagens? Ela se segurou o dia inteiro para mostrar a você que não teve tempo e que não se importa tanto assim. Sabe quando ela não te chama no msn? Anos de estudos para fazer um doce, fingindo que não está morrendo de saudades. Sabe quando ela passa reto de nariz em pé, toda linda e esnobe? É o ”vou fingir que não te vi”. Sabe quando ela não te responde de primeira? Apenas um teste para ver se você está interessado o suficiente para chamar de novo. Complicadas. Inteligentes. Superiores. Enquanto eles se acham espertos elas simplesmente são, sem ter que achar nada. Ela diz que te odeia e te manda ir embora, mas experimenta sair de perto dela para ver o que acontece. Ela desliga o telefone na sua cara e diz que vai sair com as amigas a noite porque você nunca a mereceu, e na maioria das vezes ela deita na cama e chora. Seres extremamente fortes, estupidamente sensíveis. Todo homem deveria ter um dia de mulher. Mulher sabe sorrir quando quer chorar. Mulher sabe desprezar quando quer amar. Mulher sabe ignorar quando a maior vontade é ligar e pedir o amor do canalha de volta. Mulher pensa com o coração e age com a cabeça. Dentro de uma mulher existem sentimentos ocultos. Vulcões em erupção camuflados por enormes geleiras. Mulher tem o poder de passar do lado do babaca que partiu seu coração de salto alto, sorrindo e deixa para chorar em casa. E sabe porque eu gosto de ser mulher? Bom, mulher pode estar perdidamente apaixonada. Pensar nele 24 horas por dia e fazer hora extra. Olhar o telefone de 5 em 5 segundos, e a cada toque, achar que é ele. Mas, meu caro, tenha certeza que você jamais saberá disso. Na verdade ela pode estar tendo overdose de amor, ataque de ciúmes, caindo os cabelos de raiva. Mas para ele, ela vai estar vendo um filme de romance na tv e repetindo milhares e milhares de vezes: ”Homem? Ahh.. Só fazendo um modelo novo de fábrica. Zero km. E que de preferência não fale, para não mentir.” Ela pode ser meiga e doce, mas experimente dizer isso a ela. Ela simplesmente sorri com olhos de cinismo e diz “vai sonhando”. Ela sonha com uma casa simples e três filhos correndo pela sala, mas te jura que o seu maior sonho é ser bem-sucedida profissionalmente. Dona de casa? Jamais. Enquanto te conta seus planos futuros sobre o emprego e o salário que pretende ganhar, ela tira suas medidas mentalmente para levar no alfaiate da esquina e planejar o terno que você vai estar usando enquanto a espera – com o vestido e o penteado que por ventura, ela já escolheu – no altar.
Tati Bernardi.   

Eu sempre procuro refúgio nos livros. Sempre gostei de viver outras vidas, ver o mundo de outras maneiras, viver um amor de verdade que não era meu. Gosto de me sentir a personagem sabe, sentir todas as emoções, chorar, rir e amar na mesma intensidade que a personagem. Sempre achei o amor nos livros mais bonito, mais puro, mais real. Quando eu lia, era como se eu sentisse o amor que havia ali, entre os personagens. Sempre que eu queria sentir o amor, eu lia um livro. Eu procuro nos livros o amor que eu sempre quis ter.
Os livros são o meu refúgio.   

Vamos celebrar nossa saudade, e comemorar nossa solidão.
Renato Russo.  

O que a vida esconde por trás de cada nota musical? Dós, rés, mis, fas, sól’s, las, sis. O único segredo escondido nas profundezas deste mar é que a vida é uma música. Tudo se compõe em música, batidas e solos. Os pingos caindo na pia do banheiro: som. A mastigação enquanto comemos: som. Os pneus de uma carro em movimento: som. O estalar dos dedos: som. Tudo se resume em sons. O ronco, por sua vez, é um som. O chuveiro ligado, é um som. As teclas do meu teclado agora mesmo, é um som! Tudo se faz de sons e batidas. Aonde passamos, aonde vivemos, temos os ouvidos voltados aos sons. Inevitável, mas bonito. As partituras, então, somos nós a quem cabe o trabalho de compôr. E a música clássica, a ópera, talvez seja quanto estamos tristes e lamentosos. Ou até mesmo chorando. A alma dilacerada, chorosa. Outros até agradecem pelos problemas…pois sempre carrega consigo a seguinte palavra: amadurecimento. E encontramos a nossa essência. O nosso poder de ter consigo o verdadeiro eu. O poder de uma música, o poder de ter um dom, nos revela que a vida é uma arte. A música embeleza a vida. Nós, receptamos o mérito de tê-la. Fazemos nossos próprios caminhos, alguns certo, outros errado até demais. E o tom em que andamos, sempre varia. Mas a escolha é nossa. A vida é uma música. Faça dela a mais linda canção.
Manuscrituras. 

Magnífico é levantar de manhã e deparar-se com o show que a natureza é capaz de aduzir. É sentir a brisa geladinha sobre o rosto tocar despertando-nos para dizer que hoje é um novo dia. É sol aquecendo a alma trazendo euforia, soar do vento embalando os mais derivados desejos que um corpo é capaz de conceber. A vida é passageira. É apenas uma viajante que aguarda na estação ferroviária com bilhete em mãos o trem chamado Tempo, aquele que a fará desembarcar nas mais diversas paradas que surgir durante o caminho. Não se sabe o que virá pela frente, pois cada parada é única e nunca se tem em mãos a rota que é melhor seguir. Viver requer cuidado, não somente isso, mas também um pouco de atenção. Se hoje descestes na estação da tortura, mantenha a calma e seja forte, pois brevemente seu trem novamente passará e quiçá quem sabe você não se embarque para uma nova aventura. Sentar ao lado da janela e observar tudo primeiramente talvez seja uma ótima escolha, até porque observar nos faz crescer e aumenta nossa competência sobre aquilo que iremos dar de vanguarda pelo caminho. Sorrisos e amores serão cultivados. Gritos serão levados para sempre na nossa memória. Choros, consolos e melancolia nos serão dado, mas que logo será tirada com a loucura da balbúrdia sadia. Onde se encontra o companheirismo a gente nunca se sabe, até porque no final da jornada ainda continuamos seguindo sozinho. Todavia seja melhor fazermos as malas, descartar tudo que for desnecessário e recheá-la apenas com o que você colheu de bom pelo trilho, porque no final das contas somente você saberá seu destino final, onde apenas com o Criador disso tudo você terá como resposta a sua compensação.
— Guilherme M.  

Se quer saber minha opinião, nunca é tarde demais ou, cedo demais pra ser quem quiser ser. Não há limite de tempo. Comece quando você quiser. Você pode mudar ou ficar como está. Não há regras pra esse tipo de coisa. Podemos encarar a vida de forma positiva ou negativa. Espero que você encare de forma positiva. Espero que veja coisas que surpreendam você. Espero que sinta coisas que nunca sentiu antes. Espero que conheça pessoas com um ponto de vista diferente. Espero que tenha uma vida na qual se orgulhe, e se você descobrir que não tem… Espero que tenha forças pra conseguir começar novamente.
Benjamim Button.   

Escritor fracassado, pois perdeu o gosto pela leitura. Setenta e nove anos. Quase oito décadas de vida terrena. Dentre estas, cinco foram em vão. Há tempos não sabia o que era felicidade. Perdera sua esposa muito jovem, e desde então jamais sentiu o coração apertar novamente com o ardor da paixão. O coração apertava sim, mas era devido a taquicardia que o acometia frequentemente. Jamais conseguiu entender o porquê de tantos morrerem tão jovens e outros serem quase imortais, ou tão invisíveis que a morte esqueceu de visitá-los. Odiava as desigualdades e injustiças que fora obrigado a presenciar. Afogava-se em bebidas, intoxicava-se com os incontáveis maços de cigarros diários, se matava aos poucos todos os dias. Vivia para morrer, mas a morte para ele tanto tardou a chegar. Já não dormia direito. Sentava na poltrona e ficava esperando sua tão sonhada hora. Nada. A casa só não era mais vazia que sua própria vida. Um destino repleto de agonia, insegurança, sonhos brutalmente assassinados e uma felicidade desfeita tão prematuramente. Ver desfalecer um amor é mais brutal que uma faca cravada no peito. Não tinha ninguém mais no mundo para o fazer companhia; se perdeu de si próprio. Os olhos cabisbaixos e opacos davam um tom de desencantamento. Odiava filas, esperas, relógios, ou qualquer coisa que tivesse algum elo de ligação com o tempo. Odiava o tempo. Odiava o fato de ser sempre tão esquecido, que até o seu próprio deus o havia ignorado. Deus não o queria lá em cima, afinal? Odiava as dúvidas. Não suportava mais esperar um mísero segundo sequer. Vasculhou todas as gavetas de remédios da casa, encontrou a droga mais forte, engoliu todos os comprimidos sem dó. Deitou tranquilamente, agarrou num sono tão profundo que jamais retornou. Agora parecia sereno e com uma expressão de extrema calmaria. O corpo foi se decompondo até restar apenas os ossos frágeis e pouco calcificados. Os sonhos de um escritor afogado em sua própria tristeza se desfizeram no momento em que percebeu que suas histórias jamais prenderiam qualquer pessoa, pois não havia nada mais para contar. Na cabeceira da cama, uma carta destinada à ninguém que as traças consumiram por anos sem piedade, nem compaixão. Tivera pelo menos um sonho concretizado: suas palavras alimentaram vidas. Ainda que de insetos, vidas.
— Parimundi.

As melhores mulheres pertencem aos homens mais atrevidos. Mulheres são como maçãs em árvores. As melhores estão no topo. Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles têm medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão, que não são boas como as do topo, mas são fáceis de se conseguir. Assim, as maçãs no topo pensam que algo está errado com elas, quando na verdade, ELES estão errados… Elas têm que esperar um pouco mais para o homem certo chegar… aquele que é valente o bastante para escalar até o topo da árvore.
Machado de Assis.

Rimas. Ri mais? Rir, mas de quê? Talvez um quê de queijo, um bê de beijo. Beijo vai, mas bem jovem. Então vem! Nu mesmo, vem nuvem, vem. Mas ve sem. Sem vergonha, sem pudor, sem graça, sem açúcar e sentimento. Se sentir, não vou deixá-lo ir. Sem ir, sem ti, eu não vou a lugar nenhum, nem dois, nem três e nem quartos. Por que mentes? Ah, que mentes não sentiriam saudades doentes… Do ente querido, do ente que queria ter ido, do ente que quase foi. Ufa, e foi por pouco. Já anoiteceu. A noite teceu estrelas, estralos, entranhas e estranhos. A noite teceu trapézios trapezistas, trôpegos, traficantes, trapaceiros e tresloucados. Também temor. Ter amor, amoras, amantes, amarelos… Ah, não. Amá-los ou amar elos? Meio a meio, meio fio, meio feio, meio feito. Essa história meio fora de hora de novo? Sim. De novo, de novo e de manhã, de tarde, de velho, de ontem, de frente, defronte e de ré. Ré é renascer renascentista, iluminista, sulista, turista, budista, autista. Arista? Mundano! Mundo mudo muda mudas. Mudas de gente descrente, descontente, demente, indecente, decadente, ai! Dor de dente, dor de gente. E quem cura? Loucura.
Cinzentos. 

@romanceais